Rasgando o Verbo: com quantas mentiras se faz um desmentido?

O Rasgando o Verbo desta semana falou sobre desmentidos, quando acontece algo e os envolvidos alegam não ser bem aquilo. O falecido jornalista Sérgio Porto, cujo pseudônimo era Stanislaw Ponte Preta, costumava perguntar: com quantas mentiras se faz um desmentidos? Muitas, certo.

Em um episódio mais recente, envolve a deputada federal Joice Hasselmann, mais conhecida como Peppa Pig, apelido que ganhou depois de sua vida de regalias. Bom, ela apareceu toda machucada e tem uma série de teorias da conspiração: que sofreu acidente de carro, que foi atacada por eleitores de Jair Bolsonaro e que teria sido agredida pelo marido.

Ocorre que, tempos depois da deputada ter surgido machucada, ela concedeu uma entrevista a TV Bandeirantes, em que alega que o marido era um “santo” e que jamais o agrediria. Também não acredito que possa ter sido o marido da deputada o autor das agressões. 

O outro desmentido, que ninguém também acredita, ocorreu na época das eleições, em 2018, quando o então candidato a governador de São Paulo, João Doria, foi gravado junto com outras mulheres em uma “suruba”.

Não demorou para Doria aparecer com sua esposa declarando ser ele uma pessoa de família, enquanto que a esposa com aquela cara de tacho, deixando claro que havia sido obrigada a estar ali. Ninguém acreditou no desmentido. 

Ou seja, até agora para as duas histórias valem as seguintes teorias: Joice Hasselmann apanhou do marido e João Doria participou da suruba. Eu não acredito em nenhuma das versões.

Esta história de desmentido é a pior coisa: se você for figura pública, nunca desminta nada. O assunto cai no esquecimento. Eu me lembro dos anos de 1970, 1980, os jornais publicaram os editais dos cartórios de protesto, com a lista dos devedores. 

Embora as empresas insistissem em desmentir as dívidas, ninguém acreditava: era calote mesmo. Segundo o jornalista Waldemar Gonçalves, o melhor a ser feito neste caso é fingir que nada aconteceu, já que no dia seguinte vão surgir outros devedores. 

O mesmo vale para quem questiona a sexualidade de alguém. Quanto mais o sujeito afirma que é macho, mais as pessoas vão desconfiar. Aliás, as vezes, é preferível fingir que você é viado para pegar mais mulher.