Lado (B)usiness Tabata Sarilho fala sobre Toque de Cura

A convidada desta edição do Lado Business foi a quiropraxista Tábata Sarilho, do Instituto de Quiropraxia Toque de Cura, que busca organizar as informações dentro do corpo. Neste sentido, a coluna é o meio de trabalho, já que liga o cérebro ao corpo.

Poucas pessoas sabem, mas existe uma faculdade que gradua um profissional de quiropraxia.”No Brasil são apenas três faculdades com duração de quatro a cinco anos: uma em São Paulo (Anhembi-Morumbi), outra no Sul e a mais recente aberta em Chapecó”, enumera.

Outro mito envolvendo a técnica diz respeito a sua origem. Ao contrário do que muitos pensam, a quiropraxia não é oriental, mas norte-americana. “Talvez por ser uma medicina não tradicional”, justifica.

Tábata explica que a técnica é procurada, quase sempre quando a dor já está instalada. “O que não deveria ocorrer. Geralmente as pessoas procuram um quiropraxista que operem milagres”, lamenta. De forma preventiva é mais fácil evitar o surgimento da dor.

A quiropraxia é capaz de tratar os mais diferentes estresses: químico (tudo que de nocivo ou em quantidade equivocada podemos ingerir, como água, bebida alcoólica ou alimentos industrializados), físico (sentar, deitar, pegar peso, ser sedentário) e emocional (mudança de humor).  

A quiropraxia não é uma massagem, assim como, às vezes, uma única sessão não será suficiente para resolver o problema que pode envolver um grupo muscular. “Em alguns casos, a quiropraxia trabalha em conjunto com a massagem, inclusive”, esclarece Tábata.

O processo inicia com uma avaliação no Toque de Cura analisa o todo. “Não basta analisar apenas a coluna, é preciso entender a história de cada um para que o tratamento não se torne prejudicial”, explica.

Tábata reforça que a quiropraxia deve ser adotada durante toda uma vida. “Assim que o problema for tratado, é importante que haja a manutenção”, esclarece.  

A unidade Toque de Cura existe em Jundiaí desde fevereiro deste ano. Mais informações pelo telefone (11) 96385-2495.